Ir direto para menu de acessibilidade.

Seletor idioma

ptenes

Opções de acessibilidade

Página inicial > Ultimas Notícias > Projeto da UFPA já devolveu mais de 50 tartarugas ao mar nos últimos meses
Início do conteúdo da página

Projeto da UFPA já devolveu mais de 50 tartarugas ao mar nos últimos meses

  • Publicado: Quinta, 28 de Março de 2019, 18h39

tartaruga4

Um grupo de tartarugas marinhas está de volta ao mar graças ao Projeto Saruanã, uma parceria da Universidade Federal do Pará com a Prefeitura e as comunidades de pescadores de Curuçá, no nordeste paraense. Na última quarta-feira, 28 de março, duas delas foram soltas na Praia do Amor, em Abade. Mas são apenas algumas das cerca de 50 que conseguiram voltar à água nos últimos dez meses.

tartaruga2Há dez anos, o projeto está na região e, há dois, começou a parceria com três comunidades das mais de 40 existentes na região. Toda vez que alguém encontra uma tartaruga liga para um celular específico. Os integrantes do projeto vão até o animal e avaliam suas condições de saúde.

Espécimes são avaliados antes da soltura - “Avaliamos se ele pode ser solto ou se precisa passar por reabilitação antes de voltar à natureza. Se precisar, há também apoio de veterinários do Projeto Tamar e também de profissionais em Belém que nos auxiliam nesse trabalho”, revela Josie Barbosa, pesquisadora da UFPA.

tartaruga1Cada caso é atendimento imediato, mas além de atender as necessidades de cada espécime encontrada, a equipe trabalha alunos do curso Técnico em Meio Ambiente da Escola de Ensino Técnico do Estado do Pará (EETEPA) de Curuça e, juntos, desenvolvem ações de conscientização ambiental.

Tartarugas fazem parte de ecossistema que produz oxigênio - As tartarugas martinhas estão entre as espécies ameaçadas de extinção. E se desaparecerem, podem desequilibrar todo o ecossistema ligado às algas marinhas.

tartaruga3“As algas são as principais responsáveis pela produção de oxigênio no mundo, o ar que respiramos. Sem elas, esse ecossistema entra em desequilíbrio e todos podem ser afetados. Como elas se alimentam dessas algas quando adultas, elas ajudam nessa cadeia de interações”, detalha a bióloga da UFPA.

A pesquisadora ainda lembra que enquanto pescadores têm se conscientizado e os resgates aos animais que são capturados nos currais acontecem, aumenta a frequência de animais encontrados com pedaços de plásticos no corpo ou doentes em razão do contato com o lixo. “O Projeto Meu Canudinho, por exemplo, nos ajuda com doações para esse trabalho de cuidado e resgate de tartarugas”, revela Josie Barbosa.

Serviço:
Plantão do Projeto Saruanã
Quem encontrar tartarugas na região de Curuça pode ligar para o (91) 98403-3689.

Texto: Glauce Monteiro – Assessoria de Comunicação da UFPA, com informações do Projeto Saruanã
Fotos: Divulgação

registrado em:
Fim do conteúdo da página